Warning: include(includes/creativeimageslider_widget.php) [function.include]: failed to open stream: No such file or directory in /home/lambz/public_html/macasdeouro.com/wp-content/plugins/creative-image-slider/creativeimageslider.php on line 45

Warning: include(includes/creativeimageslider_widget.php) [function.include]: failed to open stream: No such file or directory in /home/lambz/public_html/macasdeouro.com/wp-content/plugins/creative-image-slider/creativeimageslider.php on line 45

Warning: include() [function.include]: Failed opening 'includes/creativeimageslider_widget.php' for inclusion (include_path='.:/usr/lib/php:/usr/local/lib/php') in /home/lambz/public_html/macasdeouro.com/wp-content/plugins/creative-image-slider/creativeimageslider.php on line 45
Cadê o sacerdote do lar? – capitulo II | Maçãs de Ouro

Cadê o sacerdote do lar? – capitulo II

CAMPO MINADO

Existe uma técnica usada pelos esquimós para caçar lobos sem ter que enfrenta-lo ou persegui-lo. É o seguinte, ele pega uma faca com lamina extremamente afiada, mergulha a lamina numa vasilha com sangue e deixa por um momento na neve para que o sangue congele. Repete esse processo várias vezes, até que a faca fique totalmente oculta pelas camadas de neve. Feito isso, escolhe um local onde os lobos costumam vir e ali enterra a faca com o corte virado para cima. Devido ao faro aguçado, o animal encontra o lugar e começa a lamber o sangue congelado. Fica tão empolgado com o sabor do sangue que não percebe que em seguida está se alimentando do próprio sangue que verte dos cortes em sua língua, ferida ao lamber freneticamente a lamina afiada. Por fim, em algum tempo, seu corpo estará caído inerte pela perda de sangue ocasionado pelos ferimentos provocados por ele mesmo.

Na maioria das vezes, pensamos que não corremos perigo em nossa vida com Deus, porque, não frequentamos baladas, boates ou bordeis. Não praticamos atos de violência ou não somos usuários de drogas e nem mesmo somos viciados em fumo ou álcool. Esquecemos, porém, que o inimigo é mais astuto que os esquimós do exemplo acima.

Uma grande percentagem de acidentes automobilísticos é devido à desatenção. Os motoristas, ou estão tão acostumados com a estrada ou se descuidam por frações de segundos por algum motivo, ou mesmo, se “desliga” motivado pelo estresse de sua atividade.

Entendendo isso, vamos observar o que acontece dentro do nosso lar. Estamos tão acostumados com a correria da vida moderna; passamos a maior parte do nosso tempo vendo as modificações que ocorrem nos costumes e prazeres da sociedade atual, que quando chegamos a casa, imperceptivelmente, assistimos todos os programas oferecidos voluptuosamente pelas imagens da TV, independentemente do nome da emissora.

A desculpa que damos é de que existem vários bons programas na televisão, que podemos assistir. Precisamos nos atualizar através dos noticiários e conhecer a tendência do mundo atual, mostrada pelas novelas.

Espere um pouco. Veja como Jaime Kemp trata esse assunto. “… questiono se o televisor contribui para o crescimento do ser humano e para seu relacionamento família.”

Essas programações, apesar de serem assistidas pelos membros da família, faz que cada pessoa se distancie da outra, porque, no momento das novelas ou outro programa qualquer, ninguém conversa com ninguém, acaba o dialogo, a comunhão, o sentimento de proximidade da família. Pelo contrario, cada elemento toma a sua posição e dá a impressão que não existe outra pessoa no ambiente. E ainda, caso haja algum assunto que haja divergência, dificilmente os membros da família conversarão em paz analisando a questão, pelo contrario, fatalmente acabará em discussão, quando não, até em brigas.

O vicio de seguir programas de TV é como lamber a lamina da faca. Cada vez se aprofunda mais e não consegue perceber que está caminhando para a morte. Pais que são fanáticos não poderão dar exemplo aos seus filhos e muito menos terão autoridade moral para exigir deles qualquer ação ou procedimento.

O maior problema nestas questões é a inclinação do ser humano para o pecado e para o que diz o ditado popular: “faça o que eu falo, mas não faça o que eu faço”, ou ainda, cai no erro de Adão e joga a culpa sempre no próximo.

A melhor solução é assumir a nossa culpa ou erro. Identificar nossa inclinação para o pecado que mais “pega” e confessar a Deus e não voltar a cometê-lo.

Em seguida, tomar cuidado com as nossas fraquezas, por exemplo:

Cuidar com o que vemos. Não podemos evitar de olhar pela primeira vez, mas podemos controlar nossa visão para não cair em tentação ou pecado.

Dar prioridade para o relacionamento com nosso cônjuge e filhos. As amizades e comprometimentos com outras pessoas, principalmente com as do sexo oposto poderão trazer sérias consequências e tirar a paz, que tanto necessitamos, dentro do lar. Tirar tempo de lazer, juntos, qualquer que seja, é um grande investimento para a solidificação, valorização e consequentemente trará felicidade para a família.

Escolher com sabedoria nossas amizades, negócios, atividades, locais para frequentar, reuniões a participar e grupos a pertencer, são alguns itens que certamente nos ajudará a não “lamber laminas cortantes” desse “campo minado” que nos acercam a cada momento de nossa vida.

Fique atento para não cair nas artimanhas do inimigo de nossas almas

I Coríntios 10. 13 Não vos sobreveio nenhuma tentação, senão humana; mas fiel é Deus, o qual não deixará que sejais tentados acima do que podeis resistir, antes com a tentação dará também o meio de saída, para que a possais suportar.

Mas, Jesus nos alerta:

Mateus 26. 41 Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca.