Warning: include(includes/creativeimageslider_widget.php) [function.include]: failed to open stream: No such file or directory in /home/lambz/public_html/macasdeouro.com/wp-content/plugins/creative-image-slider/creativeimageslider.php on line 45

Warning: include(includes/creativeimageslider_widget.php) [function.include]: failed to open stream: No such file or directory in /home/lambz/public_html/macasdeouro.com/wp-content/plugins/creative-image-slider/creativeimageslider.php on line 45

Warning: include() [function.include]: Failed opening 'includes/creativeimageslider_widget.php' for inclusion (include_path='.:/usr/lib/php:/usr/local/lib/php') in /home/lambz/public_html/macasdeouro.com/wp-content/plugins/creative-image-slider/creativeimageslider.php on line 45
RESTAURA MINHA FAMILIA, SENHOR! – capítulo VI | Maçãs de Ouro

RESTAURA MINHA FAMILIA, SENHOR! – capítulo VI

RAZÕES

PORQUE DEVO SER COMO CRIANÇA

 

 

 

Marcos 10.13 a 16 “Então lhe traziam  algumas crianças para que as tocasse; mas os discípulos o repreenderam. Jesus,  porém,  vendo isto, indignou-se e disse-lhes: Deixai vir a mim as crianças, e não as impeçais, porque de tais  é  o  reino de Deus. Em verdade vos digo que qualquer que não  receber o reino de Deus como criança, de maneira nenhuma entrará nele. E,  tomando-as  nos  seus braços, as abençoou, pondo as mãos sobre elas.”

 

 

Não existe no mundo um ser que seja mais querida e atraente que uma criança.

Quando estivemos no Japão, (fomos para lá motivados pelo nascimento de nossa netinha Yohana) e ao sairmos para fazer compras ou passear, as japonesas se extasiavam admirando a Yohana e diziam: “kirei né! Ookina mê!, kirei né!” Claro que nós nos sentíamos orgulhosos de sermos seus avós, mas a verdade é que ninguém resiste em admirar os encantos de um bebê e de uma criança.

 

Entretanto, nesta passagem, estamos presenciando a rejeição dos adultos e principalmente dos discípulos de Jesus, quando as crianças eram trazidas para serem abençoadas por Jesus.

A palavra do Senhor soou forte e contundente após dizer que era para deixarem as crianças se achegarem a Ele, os adultos não esperavam por aquela frase do versículo 15 “Em verdade vos digo que qualquer que não  receber o reino de Deus como criança, de maneira nenhuma entrará nele.”

 

Daí então podemos verificar que existem pelo menos 3 razões porque eu devo ser como criança e então ser digno de entrar no reino dos céus.

 

PRIMEIRO: –  FÉ.

 

A criança não tem dificuldade em crer. Na sua inocência, ela acredita em todas as promessa de seus pais e  aceita perfeitamente todas as palavras que ouvir.

Adultos tem dificuldade em crer, por causa de suas várias experiências e decepções.

 

Na vida cristã vitoriosa a base de tudo chama-se fé. Em suas palestras, parábolas e comparações, dá-nos a impressão que Jesus se sentia prazeroso em usar a criança e sua fé como exemplo em nossas atitudes.

Cada passo que damos rumo a glória para nos deleitarmos ao receber os resultados das promessas de Deus dependemos da fé.

 

Podemos analisar alguns pontos:

 

 

Para receber a Salvação, Jesus disse em Marcos 16.16 “Em verdade vos digo que qualquer que não  receber o reino de Deus como criança, de maneira nenhuma entrará nele”.

Não vai adiantar apenas pensar ou falar em crer e receber conforme muitas vezes se prega em sermões ou anunciamos ao léu. O Senhor está colocando uma condição a mais, o de receber como criança, ou com uma fé genuína, sem qualquer mancha ou duvida. Fé com a inteira convicção de fé.

 

Ao receber o Batismo no Espírito Santo a Palavra diz que novas funções serão acrescentadas às nossas vidas. É o que diz Marcos 16.17 “E estes  sinais  acompanharão  aos  que  crerem: em meu nome expulsarão demônios; falarão novas línguas;”

Essas novas ferramentas serão movidas pela fé.

 

No processo da consolidação do Batismo no Espírito Santo, segue a concessão de Poder, obviamente para que o Evangelho seja anunciado para todas as nações. Marcos 16.18 “pegarão  em  serpentes; e se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e  porão  as  mãos  sobre  os  enfermos,  e estes serão curados..”

Cada uma dessas atividades acontecem quando abastecidas pela fé.

 

 

SEGUNDO – PERDÃO.

 

As crianças podem brigar nas suas brincadeiras, mas imediatamente estão esquecidas de qualquer mágoa ou desavença.

Todos que se dizem cristãos fazem a oração do “Pai Nosso”, mas a maioria esquece do versículo 12 de Mateus 6 quando Jesus diz “e perdoa-nos as nossas dívidas,  assim como nós também temos perdoado aos nossos devedores;”

Interessante,que da forma como descrita, entendemos que iremos pedir perdão a Deus somente depois que perdoarmos nosso próximo.

É isso também que Jesus revelou em Mateus 5.23 a 24  “Portanto, se estiveres apresentando a tua oferta  no  altar, e aí te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti,  deixa ali diante do altar a tua oferta, e  vai  conciliar-te primeiro com teu irmão, e depois vem apresentar a tua oferta”

Neste caso, entrou um complicador a mais, porque o texto afirma que “se o teu irmão tem alguma coisa contra ti” e não, “se você tiver alguma coisa contra o teu irmão.”

Compreendemos que Ele está se referindo a uma situação contrária a que estamos acostumados a enfrentar. Pois sempre pensamos que devemos pedir perdão a quem ofendemos e nunca pedir perdão a quem nos ofendeu, mas é exatamente assim que Jesus ensinou ao dizer “te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa ali diante do altar a tua oferta, e  vai  conciliar-te primeiro com teu irmão, e depois vem apresentar a tua oferta”

Esse é o grande trunfo da infância. Logo todas as divergências estão esquecidas e perdoadas como se nada tivesse acontecido.

 

A Mágoa, raiva ou amargura faz a pessoa carregar o desafeto em suas  costas durante todo o dia. Quem mais sente o peso é aquele que guarda esses males em sua alma, como que guardando um grande tesouro, mas que na verdade é um grande monstro que o está levando para a perdição, pois qualquer um deles, quer seja a mágoa, raiva ou amargura  traz com toda certeza:

 

Distancia de Deus – Hebreus 12. 14 e 15 diz “Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual  ninguém verá o Senhor, tendo cuidado de que ninguém se prive da graça de Deus, e de que nenhuma raiz de amargura,  brotando,  vos  perturbe,  e  por  ela muitos se contaminem;

 

Doença – Salmo 6. 1 a 7 Senhor, não  me  repreendas  na tua ira, nem me castigues no teu furor.Tem compaixão  de  mim, Senhor,  porque  sou fraco; sara-me, Senhor, porque os meus ossos estão perturbados. Também  a  minha alma está muito perturbada; mas tu, Senhor, até quando?… Volta-te,  Senhor, livra  a  minha  alma;  salva-me  por tua misericórdia.  Pois  na  morte  não  há  lembrança  de  ti; no Seol quem te louvará? Estou  cansado  do  meu  gemido;  toda  noite  faço nadar em lágrimas a minha cama, inundo com elas o meu leito.Os meus  olhos  estão  consumidos  pela mágoa, e enfraquecem por causa de todos os meus inimigos”

 

Morte -  Jô 21. 23 – 26 “Um  morre  em plena prosperidade, inteiramente  sossegado  e tranqüilo; com  os  seus baldes cheios de leite, e a  medula  dos  seus ossos umedecida. Outro, ao contrário, morre em amargura de alma, não  havendo provado do bem.

Efésios 4. 31 “Toda a  amargura, e  cólera, e ira, e  gritaria, e blasfêmia sejam tiradas dentre vós, bem como toda a malícia.”

 

 

TERCEIRO – CONFIANÇA

 

A criança confia INCONDICIONALEMENTE nas atitudes de seus pais, mesmo que a sociedade os condene. Para ela, o seu pai é simplesmente o Super Homem da sua vida, sem se importar com o que os outros pensem dele ou mesmo que ele seja, um miserável criminoso ou um afamado homem de sucesso.

Deus espera que nós depositemos inteira confiança em seus atos de soberania sobre a nossa vida.

Muitas vezes somos reticentes e não O aceitamos como Senhor da nossa vida embora muitas vezes proferimos com belas palavras e melodias através de cânticos, orações e mensagens.

O melhor processo de confiar em Deus é permanecer nEle.I João 2. 28 “E agora, filhinhos, permanecei nele; para que, quando ele se manifestar, tenhamos confiança, e  não  fiquemos  confundidos  diante dele na sua vinda.”

 

O autor de Hebreus 3. 12 a 14 ensina que devemos ajudar uns aos outros a confiar no Senhor “Vede, irmãos, que nunca  se  ache  em  qualquer  de  vós  um perverso coração de incredulidade, para se apartar do Deus vivo;  antes exortai-vos uns aos outros todos os  dias,  durante  o tempo que se chama Hoje, para que nenhum  de  vós  se  endureça  pelo engano do pecado;  porque nos temos tornado participantes de Cristo, se  é  que guardamos firme até o fim a nossa confiança inicial;”

 

O salmista demonstra essa certeza ao escrever Salmo 27. 1 e 2 “O Senhor é a minha luz e a  minha  salvação; a quem temerei? O Senhor é a força da minha vida; de quem me recearei?  Quando os  malvados investiram  contra  mim, para comerem as minhas carnes, eles, meus  adversários  e meus inimigos, tropeçaram e caíram.

3  Ainda que um exército se acampe  contra  mim, o  meu coração não temerá; ainda que a  guerra se  levante contra mim, conservarei a minha confiança.”

 

Não há nenhuma vergonha em nos tornarmos como crianças. Deus espera isso de nós. Busquemos ao Senhor com nossa alma pura e singela, confiando na ternura dos braços do Pai Celestial.