O AMANHÃ TEM NOME, APOCALIPSE – capítulo II